Remédio obtém resultados positivos e reduz efeitos do Alzheimer

Neurônios parcialmente atrofiados por conta do Alzheimer

Os cientistas deram um passo importante na busca por um tratamento para combater a doença de Alzheimer. Um novo medicamento que está em testes obteve resultados positivos em diminuir a progressão da demência em pacientes que sofrem da enfermidade, além de reduzir as placas senis que degeneram a estrutura de neurônios e atrofiam regiões do cérebro.

Desenvolvida por uma companhia japonesa, a droga foi testada em 856 pacientes dos Estados Unidos, Europa e Japão. Essa é a primeira vez que um estudo realizado com um número expressivo de voluntários consegue apresentar-se efetivo contra os sintomas do Alzheimer.

Ao realizar comparações com pacientes que não foram submetidos à nova droga, os pesquisadores notaram que a perda de memória e a deficiência cognitiva foram 30% menores para as pessoas que participaram dos testes.

Ainda assim, os pesquisadores afirmam que o medicamento ainda não é capaz de vencer por completo a doença, que afeta 44 milhões de pessoas em todo o planeta. Até 2050, espera-se que esse número seja triplicado. Com os resultados positivos iniciais em mãos, os cientistas seguirão os testes para que a droga seja eficaz e aprofunde sua capacidade de combater a doença.

O Alzheimer ainda não é totalmente compreendido pela ciência. Apesar de a hereditariedade genética ter influência no desenvolvimento da doença, ainda não é possível afirmar com precisão os motivos que desencadeiam as manifestações das placas senis e dos emaranhados neurofibrilares (alterações que acontecem nos neurônios), que afetam gradativamente o funcionamento do cérebro e provocam desorientação, mudanças comportamentais e esquecimento.

Por enquanto, ainda não há tratamento efetivo para a cura do Alzheimer. Manter o cérebro ativo, no entanto, é recomendado para que os sinais da doença não se manifestem de maneira tão agressiva. Todas as atividades são válidas: uma pesquisa feita no Centro Alemão para Doenças Neurodegenerativas de Magdeburgo indicou que dançar pode ajudar pessoas mais velhas a reverter sinais de envelhecimento no cérebro e contribuir para a prevenção do Alzheimer.

Leia também!

O problema da medusa

Planta, animal ou outro? A luta para categorizar as águas-vivas reflete o desejo de impor uma hierarquia ao mundo natural.

Cientistas da Nasa descobrem evidências de possível universo paralelo

Partículas estranhas observadas por um experimento na Antártica podem ser evidências de uma realidade alternativa em que as leis da física...

Elon Musk e como a ciência se mistura a fama

Elon Musk: Um panorama de sua fama Mestre da auto promoção e de realizar feitos que o levem aos...

Estrela ‘dança’ ao redor de buraco negro da Via Láctea

Um buraco negro supermassivo está escondido no coração da Via Láctea. Os astrônomos deduzem sua existência a partir do movimento da...