O menino do Pijama Listrado

Descrição:

Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz ideia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga.
Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.
A Trama: Certo dia, quando Bruno chega em casa, ele encontra a empregada da família arrumando todas as suas coisas em malas e logo descobre que ele e sua família terão de se mudar. O menino tenta a todo custo fazer a mãe mudar de ideia, já que não queria abandonar sua casa enorme em Berlim, muito menos seus três melhores amigos. Mas eles se mudam e a nova casa não é nada convidativa para Bruno, que continua insistindo em voltar para a antiga casa. Lá não há crianças com quem ele possa brincar e o tédio logo toma conta dele. Mas, pela janela do seu quarto, ele consegue ver pessoas em um campo por trás de uma cerca, e há crianças lá. Por algum motivo, todos usam um pijama listrado cinza, e Bruno começa a se perguntar o que todas aquelas pessoas fazem ali. Então um dia, fazendo uma exploração pelos arredores da casa, ele chega a tal cerca e encontra um menino sentado ali, do outro lado. Ele também usa um pijama listrado e tem um semblante triste, mas Bruno logo percebe que encontrou um amigo para passar suas tardes monótonas na nova casa.
Começando, é claro, por Shmuel, o garoto que Bruno encontra do outro lado da cerca. Bruno não tem a menor ideia do que se passa daquele lado, não sabe o que as pessoas de pijamas listrados fazem, e Shmuel, apesar de viver aquilo na pele, também tem certa ingenuidade com algumas coisas que acontecem ali (como para onde vão as pessoas que somem depois de marcharem). A irmã de Bruno, Gretel, é um caso perdido para ele. Ela tem apenas doze anos e age como se fosse muito mais velha. É uma típica menina entrando na adolescência e se impressionando fácil com tudo. Apesar de ser um pouco irritante e ter aprendido a usar o sarcasmo de uma forma a sempre debochar do irmão, ela foi uma personagem real e que condizia muito bem com a época e a situação. O tenente Kotler era odiável, daquelas pessoas que provavelmente não têm noção do que estão fazendo, apenas querem se tornar o queridinho de alguém poderoso e é mal por natureza. Já o pai de Bruno tinha completa consciência do que ocorria, tanto que se tornou comandante, e era um homem de confiança para Fúria (nome que foi dado no livro para Hitler).

O que mais me tocou não foi o final, e sim tudo o que envolve a inocência dos personagens principais (principalmente do Bruno). Embora não seja o melhor livro do John (porque ele tem livros fantásticos), vale muito a pena ler esse. Mas, embora esteja classificado como infanto-juvenil, não recomendo muito para o público infantil, porque é preciso entender um pouco da Segunda Guerra Mundial, além do fato de ele não ser nem um pouco leve em relação ao enredo. É um Livro muito sentimental, mas não foi possível chorar, pois achei que o final foi um pouco atropelado, os acontecimentos foram bem rápidos, então não deu muito para entrar 100% , mas é excelente. Todo o enredo foi muito bom.

A BIBLIOTECA

Desbloqueie todo conteúdo exclusivo de altíssima qualidade para assinantes do Mistérios Literários.

Uma conexão notável com a tecnologia

Novos artigos da mesma categoria são carregados automaticamente ao rolar a página.