Crítica | Hush – A morte Ouve

No auge do sucesso entre os filmes de terror com invasões em casa, ‘Hush: A Morte Ouve‘ oferece um único gancho: a mulher que luta para sobreviver à noite contra um assassino impiedoso e manipulador, é surda.

Hush – A morte ouve” é um Thriller de 2016, do genêro terror psicológico/suspense, com a duração média de 1h30m e mundialmente estreiando em 12 de março, tendo como produtores Jason Blum e Trevor Macy, e como diretor e roteirista Mike Flanagan, surpreendentemente, Kate Siegel, sua esposa, que apesar de atuar no filme como uma dos personagens principais, também ajuda no roteiro.

A trama se passa totalmente na casa isolada da famosa escritora Maddie Toung, interpretada por Kate Siegel, a qual perdeu sua audição e a capacidade de falar quando era mais jovem, se prendendo em um mundo de total silêncio; porém quando aparece em sua janela um rosto mascarado de um assassino psicótico, Maddie precisa ir além de tudo que a mesma imaginou para conseguir sobreviver a essa noite.

Com um orçamento modesto, Hush: A Morte Ouve, é um exemplo sólido de eficiência. O filme conta com um elenco principal de duas pessoas e um estranho cenário de cabana nos bosques. Ele está continuamente envolvido sem truques extravagantes, além do relacionamento de sua heroína com o ambiente ao seu redor.

A tensa cinematografia de James Kniest muda entre os closes do rosto de Maddie. Assim como os exteriores escuros que mostram o puro vazio da paisagem circundante. Tudo deixa claro que a fuga não é uma opção.

Há alguns momentos que podem soar cansativos ou repetitivos, principalmente as várias vezes que a protagonista tenta sair da casa. O roteiro também falha ao acrescentar algumas saídas fáceis, que contrastam com a evolução inteligente da condução da protagonista. Essas partes parecem ter sido acrescentadas para garantir ao longa uma duração maior, afinal de contas, poderiam facilmente terem sido removidas sem afetar a lógica da trama.

O filme considerado de suspense mantém a trama bem elaborada, sem sustos e se com um enorme distanciamento do terror. A Parte considerada mais medonha, seria o assassino de máscara, que após a protagonista de alguma forma tentar negociar que aquilo terminasse usando o argumento de que não havia visto rostos, o mesmo se revela em sua frente, dando início a uma série de ataques.

Apesar de simples, durante todo o roteiro, o filme consegue se manter estável prendendo a atenção do telespectador. Então se você está a procura de um filme de suspense interessante e leve, ‘Hush – A morte Ouve’ pode ser considerado uma boa opção.

Leia também!

Grama é um belíssimo e sensível retrato da maldade

‘Grama’ é um quadrinho que narra uma história real de uma senhora que viveu as mais terríveis atrocidades durante a segunda guerra, confira com a gente se a obra vale a pena ser lida.

The Boys e a moralidade distorcida, porém real

The Boys é a série de super heróis mais badalada do momento, venha conosco discutir sobre essa obra que discute tanto a nossa realidade.

The Crown da Netflix : a verdadeira história por trás do drama real

O suntuoso drama real da Netflix, The Crown , explorou muitos meandros ocultos da família real britânica ao longo de três séries, fornecendo um retrato envolvente...

O Diabo de Cada Dia é um filme VISCERAL

O Diabo de Cada Dia é o novíssimo filme da Netflix que possui diversos talentos envolvidos, mas a pergunta que fica é: É Bom?! Vem conferir com a gente!