Covid-19: Ernesto Araújo denuncia ‘comunavírus’ e ataca OMS

Ministro faz críticas à China e diz que filósofo Slavoj Zizek mostra que ‘globalismo substitui o socialismo como estágio preparatório ao comunismo’

O chanceler Ernesto Araújo postou em seu blog pessoal, na madrugada desta quarta-feira, um longo texto no qual denuncia um “plano comunista” que iria tirar proveito da pandemia de Covid-19 para implementar sua ideologia por meio de organismos internacionais, como a Organização Mundial da Saúde. A coordenação global realizada pela OMS para fazer frente à crise, segundo ele, seria “o primeiro passo em direção ao comunismo” de um “projeto globalista”.

Intitulado “Chegou o comunavírus”, o texto do chanceler diz que o medo causado pela nova doença “nos faz despertar novamente para o pesadelo comunista”, projeto que “já vinha se executando no climatismo ou alarmismo climático, da ideologia de gênero, do dogmatismo politicamente correto, do imigracionismo, do racialismo, do antinacionalismo, do cientificismo”. Segundo Araújo, isso faz com que o “comunavírus”, que ele chama de “vírus ideológico”, seja mais perigoso que a Covid-19.

Na longa postagem em seu blog, o ministro faz sua leitura do livro “Vírus”, de Slavoj Zizek, um dos neomarxistas mais proeminentes da atualidade. Na obra, o filósofo aponta que o coronavírus escancarou a insustentabilidade do sistema capitalista, demandando um pensamento para além do mercado financeiro e do lucro. 

Segundo o ministro, a obra do esloveno deixaria claro que o “globalismo substitui o socialismo como estágio preparatório ao comunismo” e que há um “jogo comunista-globalista” para “subverter a democracia liberal e a economia de mercado, escravizar o ser humano e transformá-lo em um autômato desprovido de dimensão espiritual, facilmente controlável”.

Consultado pelo GLOBO sobre a ilação de Araújo, Zizek respondeu: “Infelizmente, ele não entendeu a questão”.

Desde que chegou ao poder, o presidente Jair Bolsonaro e seus aliados vêm adotando um discurso contrário ao “globalismo”, termo utilizado pela extrema direita para se referir às instituições globais, acusadas de interferirem indevidamente na soberania nacional. Entre os líderes globais que defendem a ideia, caracterizada pelo cientista político Joseph Nye, da Universidade Harvard,  como um “slogan político”, estão o presidente americano, Donald Trump, e o premier húngaro, Viktor Orbán.

Estas ideias vêm se refletindo no distanciamento do governo brasileiro de organismos internacionais e de políticas multilaterais, até mesmo no combate à Covid-19. Na segunda-feira, o Brasil esteve entre os 14 países que não endossaram uma resolução da ONU para maior cooperação frente à doença. O presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, utilizou fora de contexto uma declaração do diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, para defender a retomada do trabalho. 

Críticas à OMS

Para o ministro, a transferência dos poderes para a OMS seria o primeiro passo em direção ao comunismo, afirmando que nunca foi comprovado que uma organização internacional seria mais eficiente que os países agindo individualmente, tendo assim “valor para a causa da globalização”. Isto, segundo ele, abriria caminho para conferir poder a outros órgãos supranacionais, sendo apenas um “primeiro passo na construção da sociedade comunista planetária”.

“[Zizek] não está sequer interessado naquilo que funciona ou não funciona para combater o coronavírus, a quarentena ou o fechamento de fronteiras, pois o objetivo não é debelar a doença, e sim utilizá-la como escada para descer até o inferno, cujas portas pareciam bloqueadas desde o colapso da União Soviética, mas que finalmente se reabriu”, escreveu o ministro.

Ecoando comentários de outros representantes do governo brasileiro, Araújo citou ainda a China, afirmando que o “mundo dos sonhos” do filósofo é Wuhan, o maarco zero da pandemia, quarentenada “à custa da destruição dos empregos que permitem a sobrevivência digna e minimamente autônoma de milhões e milhões de pessoas”.

Em março, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, acusou Pequim, sem embasamento, de esconder informações sobre a doença para posteriormente lucrar com leilões. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), por sua vez, responsabilizou os chineses pela pandemia, comparando-o com o governo soviético no desastre nuclear de Chernobyl, em 1986, quando as autoridades esconderam e negaram inicialmente o desastre.

Nazismo

Citando um trecho da obra no qual Zizek diz que os nazistas fizeram um “péssimo uso” do lema “O trabalho liberta”, o chanceler disse ainda que o “nazista é um comunista que não se deu ao trabalho de enganar suas vítimas”. No ano passado, durante uma visita a  Israel, Araújo e Bolsonaro defenderam a ideia de que o nazismo seria um movimento de esquerda.

A tese é contestada pela grande maioria dos historiadores, incluindo os especialistas do memorial que documenta o extermínio de 6 milhões de judeus pelos nazistas — que também, ainda antes da Segunda Guerra Mundial, prenderam milhares de comunistas, social-democratas, ciganos, homossexuais e outros indivíduos considerados indesejáveis.

Leia também!