A medicina moderna poderia ter salvo Abraham Lincoln?

Abraham Lincoln foi baleado à queima-roupa em 14 de abril de 1865 por John Wilkes Booth. As práticas e recursos médicos modernos poderiam salvar Abraham Lincoln após sua fatídica viagem ao teatro em 1865?

Antes de falarmos sobre a medicina moderna, saiba:
Que peça Abraham Lincoln estava assistindo quando foi baleado?

Abraham Lincoln foi baleado à queima-roupa em 14 de abril de 1865 por John Wilkes Booth, empunhando uma pistola Philadelphia Derringer. A bala entrou em sua cabeça logo abaixo da orelha esquerda, atravessou seu cérebro e se alojou logo atrás do olho direito. Ele imediatamente perdeu a consciência e viveu cerca de oito horas. Seus médicos disseram corretamente que ele não poderia ser salvo, dado o estado da medicina e da cirurgia em 1865. Não havia, portanto, possibilidades de terapia intensiva, com gotejamentos intravenosos, ventilação assistida e esteróides para reduzir o inchaço cerebral.

A trajetória da bala provavelmente poupou os lobos frontais de Lincoln e suas áreas vitais do tronco cerebral. Ele teria sofrido danos ao cerebelo, a área do cérebro que controla o movimento, e nunca podemos saber quais outras estruturas cerebrais também podem ter sido danificadas.

No entanto, as intervenções médicas modernas poderiam manter Lincoln vivo por um tempo, e as varreduras cerebrais poderiam ter permitido que seus médicos avaliassem a extensão exata dos danos. Se ele tivesse sobrevivido às consequências imediatas, os neurocirurgiões modernos poderiam ter avaliado se a remoção do tecido danificado e, possivelmente, a própria bala, o teriam ajudado.

Se sua qualidade de vida poderia ter sido parcialmente restaurada é outra questão separada e que simplesmente não podemos responder.

Leia também!